publicidade
17/maio
Dos 120 casos notificados em PE, 33,3% tiveram como hipótese diagnóstica a síndrome de Guillain-Barré, doença neurológica autoimune que pode estar associada a infecções virais, como chicungunha e zika (Foto ilustrativa: Free Images)
Dos 120 casos notificados em PE, 33,3% tiveram como hipótese diagnóstica a síndrome de Guillain-Barré, doença neurológica autoimune que pode estar associada a infecções virais, como chicungunha e zika (Foto ilustrativa: Free Images)

PE confirma 58 casos de doenças neurológicas causadas por chicungunha e dengue; Guillain-Barré é a mais comum

17 / maio
Publicado por Cinthya Leite em Aedes aegypti - 17/05/2017 às 10:44

A Secretaria de Saúde de Pernambuco (SES) divulgou, na manhã desta quarta-feira (17), 58 casos de doenças neuroinvasivas (síndromes neurológicas como encefalites, meningoencefalites, mieloradiculite, mielites, mieloneuropatia, encéfalo mielite aguda disseminada e síndrome de Guillain-Barré, entre outras) que têm como causa provável a infecção prévia por chicungunha e/ou dengue. O número corresponde a 48,3% do total de casos notificados, em 2016, de doenças neuroinvasivas que poderiam estar relacionadas ao adoecimento por alguma das arboviroses. Ao longo do ano passado, foram registrados 120 casos dessas enfermidades neurológicas.

Leia também:
» Guillain-Barré: Pernambuco investigará relação da síndrome com zika e dengue
» Possibilidade de relação entre transtornos psiquiátricos e arboviroses é investigada
» Entenda o que é a síndrome de Guillain-Barré
» Dengue: Uma luta de 30 anos
» Dengue pode agravar danos causados pelo zika vírus, diz médica epidemiologista
» Cinthya Leite é uma das autoras de livro sobre o zika lançado pelo Ministério da Saúde

Além dos 58 casos confirmados de doenças neuroinvasivas associados à chicungunha e/ou dengue, Pernambuco descartou 26 (21,7%) casos para todas as arboviroses. Outros 31 foram inconclusivos (25,8%) e cinco continuam em investigação (4,2%). Não há registros positivos para zika.

Dos 120 casos notificados, 40 (33,3%) tiveram como hipótese diagnóstica a síndrome de Guillain-Barré (SGB), doença neurológica autoimune que pode estar associada a infecções virais, causar fraquezas e paralisias que costumam começar pelos membros inferiores e podem atingir as vias respiratórias. Também foram registradas 21 ocorrências para mielite (17,5%), 17 para meningoencefalite (14,2%) e 17 para encefalite (14,2%). Algumas ocorrências tiveram mais de uma hipótese diagnóstica: três para mielite e SGB (2,5%), um para SGB e encéfalo mielite aguda disseminada (0,8%), um para SGB e mieloradiculite (0,8%), entre outros.

Segundo Jadson Galindo, entre os principais sintomas apresentados pelos pacientes com síndrome neuroinvasiva, estão alterações motoras, de consciência, de comportamento e no andar. “Se alguém com quadro anterior para arbovirose sentir essa sintomatologia, é essencial procurar imediatamente o serviço de saúde”, destaca (Foto: SES/Divulgação)

Ainda entre os casos notificados de doença neuroinvasiva relacionada às arboviroses em 2016, 16 foram a óbito. Desses, seis foram notificados para síndrome de Guillain-Barré, quatro para encefalite, três para meningoencefalite e três por outras doenças neuroinvasivas.

As notificações, obrigatórias em Pernambuco desde maio de 2016, foram realizadas pelas três unidades sentinelas para os quadros neurológicos possivelmente associados a arboviroses: hospitais da Restauração (102 casos – 85% da totalidade notificada) e Correia Picanço (12 casos – 10% da totalidade notificada), ambos no Recife; e o Hospital Mestre Vitalino (6 casos – 5% da totalidade notificada), em Caruaru, no Agreste de Pernambuco. A maior parte dos casos (77 casos – 64% da totalidade) ocorreu entre 29 de maio e 3 de dezembro de 2016, período que já apresentava uma baixa nas notificações das arboviroses.

Em 2015, tivemos os primeiros relatos de casos de doenças neuroinvasivas relacionadas às arboviroses. Naquele ano, algumas ocorrências foram relacionadas à introdução do vírus zika e, a partir de 2016, também ao chicungunha. Além de estamos sensíveis a esse tipo de ocorrência, precisamos continuar reforçando com a população a importância de evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti. Só assim vamos prevenir as três arboviroses e os quadros neurológicos relacionados”, afirma o coordenador de Síndromes Congênitas e Neurológicas relacionadas às Arboviroses da SES, Jadson Galindo.

Dos 58 casos de doenças neuroinvasivas prováveis para infecção por arboviroses, cinco tiveram resultado laboratorial positivo (RT-PCR) de infecção recente por chicungunha (até 10 dias do início da infecção). Os demais 53 tiveram resultado laboratorial positivo para chicungunha e/ou dengue pelo método de sorologia, que localiza o anticorpo presente no organismo para aquele vírus e que, normalmente, é detectável a partir do 10º dia após a infecção.

Dos 58 casos de doenças neuroinvasivas prováveis para infecção por arboviroses, cinco tiveram resultado laboratorial positivo (RT-PCR) de infecção recente por chicungunha, transmitida pelo Aedes aegypti (Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem)

Em relação ao sexo, 61 das notificações foi em mulheres (50,9%) e 59 em homens (49,1%). Já em relação à idade, 33 casos foram em idosos (27,5%), 25 em crianças até 9 anos (20,8%) e 50 em adultos entre 20 e 59 anos (41,6%). “Os principais sintomas dos pacientes com síndrome neuroinvasiva foram alterações motoras, de consciência, de comportamento e no andar. Se alguém com quadro anterior para arbovirose sentir essa sintomatologia, é essencial procurar imediatamente o serviço de saúde mais próximo de casa, que fará o encaminhamento para as unidades de referência”, reforça Galindo.

A média de tempo decorrido entre infecção prévia por arbovirose e o início do quadro neurológico foi de 8,5 dias. Atualmente, a notificação é obrigatória nas três unidades sentinelas (HR, Correia Picanço e Mestre Vitalino) quando há infecção prévia por arbovirose e início dos sintomas neurológicos até 60 dias depois.

Em 2016, Pernambuco confirmou 59 mil casos das três arboviroses. Quando relacionado com os dados das neuroinvasivas, percebe-se que os 58 casos prováveis correspondem a 0,09% do total de confirmações das arboviroses.

Saiba mais

Doença neuroinvasiva se caracteriza pela infecção de um vírus neurotrópico (com afinidade pelo tecido nervoso), capaz de acessar o sistema nervoso central ou periférico e causar quadros patológicos, como síndrome de Guillain-Barré, mielite, mielorradiculite e encefalites, entre outras enfermidades.

Essas doenças geralmente se caracterizam pelo início agudo de febre, com rigidez de nuca, alteração do estado mental, convulsões, fraqueza muscular. A síndrome de Guillain-Barré é uma das manifestações neurológicas mais comuns nesses casos relacionados à arbovírus.


FECHAR