publicidade
08/04/17
“Quem tem depressão deve acreditar que pode dar novo significado à vida”, diz Lana Valentim, que enfrentou o transtorno mental há cinco anos (Foto: Tato Rocha/JC Imagem)
“Quem tem depressão deve acreditar que pode dar novo significado à vida”, diz Lana Valentim, que enfrentou o transtorno mental há cinco anos (Foto: Tato Rocha/JC Imagem)

“Insegurança nas cidades aumenta estresse e ansiedade, que são fator de risco para depressão”, diz psiquiatra

08 / abr
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 08/04/2017 às 19:20

“O medo e a insegurança nas cidades aumentam na população os níveis de estresse e ansiedade, que são um fator de risco importante para quadros depressivos. Em países em desenvolvimento, esse cenário é muito crítico. Estimava-se que, apenas em 2020, a depressão seria o transtorno que mais causaria comprometimento, mas essa percepção foi antecipada”, frisou a psiquiatra Kátia Petribú, em entrevista durante o programa Casa Saudável, na TV JC, na sexta-feira (7), Dia Mundial da Saúde. A Organização Mundial de Saúde (OMS) escolheu a data para estimular os países a chamarem a atenção para a depressão, com o intuito de derrubar o estigma associado a esse distúrbio democrático: não discrimina por idade, raça ou história pessoal.

Leia também:

No Recife, pacientes com depressão são convidados a participar de pesquisa com tratamento inovador

“Depressão pode aparecer nos primeiros 6 meses após o diagnóstico”, diz psiquiatra, ao falar sobre câncer de próstata

Em mulheres com câncer de mama, prevalência de depressão pode chegar a 25%, diz psiquiatra

Só no Brasil, a depressão acomete 5,8% da população (taxa ultrapassa a média mundial, de 4,4%) e, em todo o planeta, é considerada a principal causa de incapacidade. Os percentuais são da OMS. “Esses novos números são um sinal de alerta para que todos os países repensem suas abordagens à saúde mental e a tratem com a urgência que merece”, destacou, em comunicado, a diretora-geral da OMS, Margaret Chan.

"Estimava-se que, apenas em 2020, a depressão seria o transtorno que mais causaria comprometimento, mas essa percepção foi antecipada", diz Kátia Petribú (Foto: Tato Rocha/JC Imagem)
“Estimava-se que, apenas em 2020, a depressão seria o transtorno que mais causaria comprometimento, mas essa percepção foi antecipada”, diz Kátia Petribú (Foto: Tato Rocha/JC Imagem)

O depoimento retrata a necessidade iminente de se mudar um cenário preocupante: em regiões de baixa renda, menos de 1% da verba da saúde dos governos é investido em saúde mental. Nos países desenvolvidos, chega a 5%, o que ainda é pouco para um transtorno que prejudica relacionamentos, interfere na capacidade produtiva, diminui a autoestima e está associado a um risco aumentado de suicídio.

“Infelizmente apenas 15% das pessoas seguem em tratamento. Isso reflete o impacto do preconceito, da dificuldade de acesso a tratamento e da minimização do sofrimento até mesmo por quem tem depressão”, informa Kátia Petribú, que é presidente da Sociedade Pernambucana de Psiquiatria (SPP). Professora da Universidade de Pernambuco (UPE), ela cita características que merecem ser consideradas. “Humor depressivo, perda de interesse pela maioria das atividades (sociais e profissionais), falta de concentração, dificuldade para iniciar e manter o sono são sintomas importantes.”

Mesmo em intensidade grave, esses sinais podem ser dominados com assistência adequada, que inclui tratamento medicamentoso, terapias, realização de atividades físicas e adoção de hábitos saudáveis. A escritora Lana Valentim, 43 anos, é um exemplo de que é possível vencer a depressão, enfrentada há cinco anos.

“Vivia sem ânimo e tinha uma mente muito negativa. Passei nove meses isolada e escondida do mundo. Mas aprendi que, do mesmo jeito que a gripe precisa de tratamento, a depressão também. Ela é o câncer da alma”, diz Lana, que resolveu compartilhar seus sentimentos através da escrita. “Quanto mais colocava para fora, mais eu me sentia melhor. Isso me fez buscar ajuda. Tomei antidepressivo por seis meses, comecei a policiar meus pensamentos e a mudar a alimentação.”

No livro Caminhos de Lana – Como Venci a Depressão (Editora Carpe Diem), ela conta como escrever foi essencial para mantê-la conectada com o mundo. “As pessoas com depressão devem acreditar que podem superar (o transtorno) e dar um novo significado à vida”, ressalta Lana, que não tem dúvida de que vale a pena lutar contra o estigma.

Depressao_Arte090417


FECHAR