publicidade
05/out
Encontro discutirá definição de protocolos para diagnóstico e tratamento da chicungunha (Foto: Alexandre Gondim / JC Imagem)
Encontro discutirá definição de protocolos para diagnóstico e tratamento da chicungunha (Foto: Alexandre Gondim / JC Imagem)

Chicungunha é tema de discussão da Sociedade Brasileira de Reumatologia neste sábado 

05 / out
Publicado por Malu Silveira em Aedes aegypti - 05/10/2016 às 16:23

O grupo de estudos em febre chicungunha (FC) da Sociedade Brasileira de Reumatologia realizará neste sábado (8), das 8h30 às 17h, um encontro para discutir a definição de protocolos para o diagnóstico e tratamento da doença. O evento, que acontecerá no Hotel Grand Mercure Recife Atlante Plaza, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife, contará com a presença de 27 reumatologistas e 3 fisioterapeutas de 11 estados.

Leia também:
Zika pode lesar o cérebro de bebês mesmo no fim da gestação
Mil armadilhas monitoram o Aedes aegypti em bairros do Recife
Microcefalia: Apoio psicossocial a famílias de bebês ganha reforço com parceria entre Visão Mundial e CPPL
Zika é capaz de modular inflamação no cérebro, indica estudo

Coordenado pelas professoras Claudia Marques e Angela Duarte, da disciplina de reumatologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a discussão será pautada no trabalho de revisão da literatura disponível sobre a febre chicungunha. Os profissionais presentes no evento, que também contará com as professoras Andréa Dantas, também da disciplina de reumatologia da UFPE, e as professoras Angelica Tenorio e Gisela Siqueira, do departamento de fisioterapia da instituição, discutirão o assunto com base na literatura revisada na experiência clínica.

Após discussão, os membros farão uma votação para definir as recomendações, principalmente para a forma crônica da doença. O estudo, que tem a previsão de ser publicado na Revista Brasileira de Reumatologia até o final deste ano, foi dividido nos seguintes tópicos: Diagnóstico clínico, laboratorial e por imagem; Associação com doenças reumatológicas; Formas raras, graves e situações especiais e Tratamento das fases aguda, subaguda e crônica da FC.


FECHAR