publicidade
02/06/11

Cervicobraquialgia: inflamação que causa um mal-estar intenso

02 / jun
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 02/06/2011 às 1:00

Cervicobraquialgia pode ser tratada com técnicas de manobras manuais, como osteopatia (Foto: Divulgação)

Sabe aquela dor que bate na região posterior do pescoço? Esse incômodo tem nome: cervicalgia. E quando essa sensação penosa inventa de irradiar pelo braço, pelo antebraço e pela mão, o mal-estar vem em dobro. Esse problema é batizado de cervicobraquialgia.

O nome é estranho, mas vamos explicar: trata-se de uma inflamação que geralmente surge por causa da carga excessiva e dos esforços a que a nossa coluna cervical é submetida no dia a dia.

Junto à dor, é comum aparecer fadiga muscular e, nos casos mais graves, o músculo pode ser atrofiado. São sinais que podem não ser localizados. Pois é: tanta indisposição pode se propagar pelo corpo, pois os nervos que saem da coluna cervical possuem ramificações que se estendem por ombros, cotovelos, antebraços, mãos, dedos e cabeça (região da nuca).

Outros sintomas dessa inflamação são fraqueza, flacidez, perda dos reflexos, falta de coordenação, perda de força no punho e dificuldade para realizar tarefas com as mãos. Em quem convive com a cervicobraquialgia fora de controle, também podem ser comuns dores na parte posterior da cabeça.

“Normalmente, o mal-estar irradia só para um membro, exceto nos casos em que há compressão intensa, como uma hérnia de disco acentuada. Isso é que poderá causar irradiações nos dois membros superiores”, explica o fisioterapeuta Gustavo Oliveira, especialista em osteopatia pela Escola Brasileira de Osteopatia e Terapia Manual (Ebom).

Ele gosta de lembrar que a dor é o sinal de alarme de que o nosso corpo sofre com algum dano ou lesão. “Dependendo do grau, esse incômodo pode tornar a vida limitante e deixar a pessoa impossibilitada de realizar tarefas diárias”, frisa o fisioterapeuta.

Para evitar problemas sérios, é preciso detectar as causas das dores e seguir uma terapêutica adequada. O diagnóstico da cervicobraquialgia é feito através de uma avaliação clínica e exames como ressonância magnética. Para o tratamento surtir efeito, são necessários repouso, medicações sempre prescritas por especialistas e sessões de fisioterapia. Esses procedimentos são fundamentais para reduzir a dor e a inflamação nervosa.

OSTEOPATIA – Entre as terapias manuais utilizadas para tratar a cervicobraquialgia, está a osteopatia – uma técnica manual que reequilibra a biomecânica corporal ao colocar as articulações em condição estável. Dessa maneira, é possível aliviar sintomas de dor e manter sob controle o organismo do paciente, a fim de que o quadro de inflamação não evolua.

Terapeuta usa as mãos para conter tensões dos músculos e das articulações (Foto: Divulgação)

“O terapeuta baseia-se na anatomia, na fisiologia e na biomecânica articular. Além disso, utilizamos as mãos para diagnosticar e tratar diminuições de mobilidade, bloqueios de movimento e tensões dos músculos e das articulações”, explica Gustavo Oliveira.

O fisioterapeuta reforça que a osteopatia tem como foco a globalidade do corpo porque não trata apenas o sintoma, mas também a causa. O indivíduo passa também a ser educado e orientado para que se torne uma peça fundamental no combate do processo inflamatório e, consequentemente da dor.

O objetivo principal da terapêutica, então, é o restabelecimento da qualidade de vida das pessoas. “Controlados os sintomas da cervicobraquialgia, é importante manter as sessões de fisioterapia aliadas aos exercícios de alongamentos”, diz o fisioterapeuta.

Outro procedimento que pode ajudar a conter o problema é a reeducação postural global, popularmente conhecida como RPG, que libera as fibras musculares acometidas pela inflamação. A acupuntura também tem sido eficaz no tratamento da cervicobraquialgia.

Prevenindo a cervicobraquialgia 

– Mantenha a cabeça ereta durante o trabalho em frente ao computador

– Deixe os ombros relaxados durante as tarefas que exigem apoio dos braços

– Evite carregar peso

– Procure dormir em colchão e travesseiro adequados ao seu tamanho e peso

– Recorra a sessões de fisioterapia preventiva, principalmente se tiver uma sobrecarga de trabalho

* Saiba mais: www.gustavooliveirafisio.com.br.


FECHAR