Ir para o conteúdo

Blog – Casa Saudável

Parceria pretende criar inovadora plataforma de cirurgia assistida por robótica (Foto: Igo Bione/JC Imagem)

Parceria pretende criar inovadora plataforma de cirurgia assistida por robótica (Foto: Igo Bione/Acervo JC Imagem)

A Johnson & Johnson Medical, por meio da marca de equipamentos e dispositivos médicos Ethicon, anunciou na última sexta-feira (26/3) a assinatura de uma parceria com o Google, com foco no progresso da cirurgia robótica para beneficiar cirurgiões, pacientes e sistemas de saúde como um todo.

As empresas reunirão suas capacidades, propriedade intelectual e experiência para criar uma inovadora plataforma de cirurgia assistida por robótica, capaz de integrar tecnologias avançadas, com o objetivo de melhorar a prestação de cuidados de saúde nos centros cirúrgicos. A parceria foi facilitada pela Johnson & Johnson Innovation na Califórnia.

A cirurgia assistida por robótica é um tipo de cirurgia minimamente invasiva que usa a tecnologia para dar aos cirurgiões maior controle, acesso e precisão durante o procedimento cirúrgico, beneficiando pacientes, minimizando o trauma, acelerando a cicatrização e diminuindo as cicatrizes. As empresas buscam desenvolver novas ferramentas e capacidades que integrem a melhor tecnologia disponível em dispositivos médicos com sistemas robóticos, de imagens e de análise de dados.

“A Ethicon desenvolve há mais de 60 anos produtos e tecnologias que transformaram a maneira como se faz cirurgias”, disse Gary Pruden, Presidente Mundial da Johnson & Johnson Medical. “Essa parceria com o Google é mais um passo importante em nosso compromisso com o progresso dos procedimentos cirúrgicos, e o nosso objetivo conjunto é o de colocar a melhor ciência, tecnologia e know-how cirúrgico nas mãos das equipes médicas de todo o mundo.”

A conclusão da transação está sujeita à aprovação no âmbito do Hart-Scott-Rodino Antitrust Improvements Act e de outras condições habituais. A transação deverá ser concluída no segundo trimestre deste ano. Os termos financeiros não foram divulgados.


Escola também é lugar para se trabalhar a educação alimentar

29 de março de 2015 | postado por Cinthya Leite
Hábitos de alimentação saudável devem ser adotados desde a infância (Foto: Free Images)

Hábitos de alimentação saudável devem ser adotados desde a infância (Foto: Free Images)

Na próxima terça-feira (31/3), é comemorado o Dia Nacional da Saúde e Nutrição. Vamos, então, aproveitar a proximidade da data para ressaltar que a educação alimentar é algo imprescindível para a saúde em todas as faixas etárias. Se hábitos saudável forem adotados ainda na infância, a chance de se perpetuar por toda a vida é imensa. Quem dá essa orientação é o Colégio Madre de Deus, no bairro de Boa Viagem, Zona Sul do Recife.

Para incentivar os alunos, a instituição aposta no lanche coletivo – uma prática que ensina o aluno a lidar diretamente com a preparação das comidas, a fim de compreender a origem e importância dos alimentos, além de apostar em um cardápio livre de frituras e salgadinhos industrializados na cantina.

A base do ensinamento da escola é a teoria da educadora, pedagoga e médica italiana Maria Montessori, que defendia a importância do estímulo para o desenvolvimento físico e mental da criança. O cardápio mensal é elaborado por uma nutricionista e enviado aos pais. Os estudantes da educação infantil se reúnem uma vez por semana na cozinha da escola para preparar seu próprio lanche.

“A depender da sugestão do dia, os alunos lavam, descascam, temperam e cortam as verduras e legumes. Todos os passos são auxiliados pela professora”, afirma a coordenadora pedagógica da Unidade I do Colégio Madre de Deus, Cláudia da Fonte. No restante da semana, os pais enviam os lanches sugeridos pela escola para cada dia.

A escola também conta com um galinheiro e uma horta, o que garante um aprendizado completo e participativo quando se trata de explicar às crianças o caminho que os alimentos vegetais e carnívoros fazem antes de chegar à mesa. “Queremos formar adultos conscientes em relação ao que é bom ou não para a saúde”, complementa Cláudia. Independentemente da idade do estudante, a escola solicita o apoio dos pais para que sejam as principais referências dos filhos, estimulando práticas saudáveis também dentro de casa.


generico_similar_referência

Consumidores ainda têm dúvidas em relação a diferenças entre medicamentos de referência, genérico e similar (Foto: Free Images)

Quem nunca chegou na farmácia e teve dúvidas em relação a medicamentos de referência, genérico e similar? Vamos hoje esclarecer alguns pontos sobre esse assunto.

Genéricos e similares ainda geram insegurança por desconhecimento de suas características. É bom frisar que os genéricos possuem a mesma composição química dos medicamentos de referência. Por isso, o consumidor pode escolher entre as duas opções sem nenhuma preocupação.

Em outubro de 2014, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou resolução que elevou a categoria de medicamentos similares intercambiáveis como substituta dos medicamentos de referência, como já são os genéricos, criando mais uma opção para o consumidor. A decisão gerou ainda mais dúvidas para os pacientes, que geralmente não entendem as diferenças sobre efetividade entre os medicamentos de referência, genéricos e similares intercambiáveis.

Compreenda alguns pontos importantes:

- Quais são os medicamentos de referência?
São os chamados inovadores, frutos de descobertas científicas. Os laboratórios investem anos em substâncias e testes para descobrir novos medicamentos que atuem de maneira segura e eficiente sobre um determinado sintoma ou doença. Após comprovação científica e aprovação regulatória, cria-se o direito à patente, em que o laboratório responsável pode atribuir uma marca e explorar o novo medicamento comercialmente com exclusividade.

- E o que é o genérico?
Após a patente do medicamento de referência expirar, outros laboratórios podem produzi-lo e comercializá-lo: é o medicamento genérico, que possui o mesmo princípio ativo, concentração, forma farmacêutica, via de administração, posologia e indicação terapêutica do medicamento de referência. O genérico é, portanto, exatamente o mesmo medicamento se comparado ao de referência, pois sua composição química é idêntica.

- Qual a diferença entre os medicamentos genéricos e similares intercambiáveis?
Os medicamentos similares intercambiáveis têm as mesmas características dos de referência e dos genéricos e, desde 2014, são considerados bioequivalentes. Ou seja, possuem concentração, posologia e indicação terapêutica idênticas. Os medicamentos similares intercambiáveis passam por testes clínicos iguais aos genéricos, o que assegura sua segurança. A diferença é que o similar pode variar em relação à forma do produto, prazo de validade, embalagem e rotulagem. Além disso, diferentemente dos genéricos, os similares intercambiáveis são vendidos sob marcas comerciais. Por exemplo: o Alivium é um medicamento de referência; o seu genérico é o Ibuprofeno; e o similar, o Ibufran.

- Os similares intercambiáveis são equivalentes aos de referência?
Desde a resolução da Anvisa publicada em outubro de 2014, os medicamentos similares intercambiáveis também podem substituir os medicamentos de referência, desde que haja comprovação de equivalência farmacêutica aprovada pelo órgão regulador. Os medicamentos que já estão aprovados como bioequivalentes devem trazer na bula a informação de que são intercambiáveis.

E atenção: por decisão da Anvisa, o paciente com a receita médica em mãos tem o direito e livre escolha de optar tanto pelo medicamento de referência quanto por seu medicamento genérico ou similar intercambiável.


Estratégia do Ministério da Saúde busca incentivar o parto normal e reduzir a ocorrência de cesarianas desnecessárias (Foto: Divulgação)

Estratégia do Ministério da Saúde busca incentivar o parto normal e reduzir a ocorrência de cesarianas desnecessárias (Foto: Divulgação)

O Ministério da Saúde, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e o Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, anunciaram na sexta-feira (27/3), que cinco instituições da região Nordeste foram selecionadas para participar de projeto de incentivo ao parto normal. Em Pernambuco, foi escolhido o Hospital Agamenon Magalhães, que fica no bairro de Casa Amarela, Zona Norte do Recife.

Ainda no Nordeste, foram escolhidos três hospitais do Ceará (dois do Sistema Único de Saúde e um privado) e um da Bahia (privado). Os estbelecimentos farão parte do projeto que reúne 23 hospitais privados e cinco maternidades do Sistema Único de Saúde (SUS), escolhidas pelo Ministério da Saúde.

A iniciativa, desenvolvida em parceria com o Institute for Healthcare Improvement (IHI), busca identificar modelos inovadores de atenção ao parto, capazes de promover a melhor qualidade do cuidado e a segurança da mulher e do bebê. O objetivo é incentivar o parto normal e reduzir a ocorrência de cesarianas desnecessárias na saúde suplementar e no sistema público.

Entre as instituições privadas selecionadas, oito estão entre as 30 maiores em volume de partos do País e 11 entre as 100 maiores, o que demonstra o compromisso social com a melhoria da qualidade da atenção ao parto e nascimento. Esses hospitais possuem taxa de cesarianas de 88,7% – superior à identificada na saúde suplementar (84%) e na rede pública (40%). Já os estabelecimentos do SUS foram escolhidos por apresentarem percentual de cesarianas acima de 60% e por realizarem mais de mil partos por ano.

“Estamos lançando um projeto que valoriza a qualificação do parto normal e as entidades que aderiram a essa iniciativa voluntariamente aceitaram esse desafio de qualificar sua assistência obstétrica. Queremos melhorar a qualidade e as condições de atendimento para enfrentarmos o que temos hoje, que é uma verdadeira epidemia de parto cesariano no sistema privado. Fico feliz em ver que as instituições abraçaram a causa e se propuseram a mudar essa realidade”, destacou o ministro da Saúde, Arthur Chioro.

A estratégia de ação desenvolvida para os participantes do projeto envolve adequação de recursos humanos para a incorporação de equipe multiprofissional nos hospitais e maternidades, capacitação profissional para ampliar a segurança na realização do parto normal, engajamento do corpo clínico, da equipe e das próprias gestantes, além de revisão das práticas relacionadas ao atendimento das gestantes e bebês, desde o pré-natal até o pós-parto.


Dê mais graça à dieta com a salada de melancia e tomates

28 de março de 2015 | postado por Cinthya Leite
Mesclar melancia e tomate dá um toque especial à salada (Foto: Vigilantes do Peso/Divulgação)

Mesclar melancia e tomate dá um toque especial à salada (Foto: Vigilantes do Peso/Divulgação)

Para este fim de semana, que tal uma salada de melancia e tomates, que foge das versões de folhas verdes tradicionais? O Vigilantes do Peso apresenta uma receita de dar água na boca. Dá para fazer rapidinho, em menos de 15 minutos. É bem simples. Confira:

Ingredientes

3 xícaras de melancia sem sementes em cubos ou bolinhas

2 xícaras de tomates-cerejas amarelos cortados ao meio

3 colheres de sopa de suco de laranja

1 colher de chá de raspas de limão

1 colher de sopa de suco de limão

2 colheres de chá de mel

8 folhas de hortelã cortadas em tiras finas

2 colheres de chá de vinagre balsâmico

Modo de preparo

Numa tigela grande, misture a melancia e os tomates-cerejas. À parte, numa tigela pequena, bata o suco de laranja, as raspas de limão, o suco de limão e o mel. Regue a salada e envolva delicadamente para misturar. Salpique com hortelã. Pingue gotas de vinagre balsâmico. Rende aproximadamente duas porções.


Imip faz  campanha para arrecadar recursos para ampliar ensino e pesquisas de combate ao câncer  (Foto: Rodrigo Lôbo/Acervo JC Imagem)

Imip faz campanha para arrecadar recursos com o intuito de ampliar ensino e pesquisas de combate ao câncer (Foto: Rodrigo Lôbo/Acervo JC Imagem)

O Instituto de Medicinal Integral Professor Fernando Figueira (Imip), no Recife, através do Centro de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon), iniciou uma campanha para arrecadar recursos para ampliar e qualificar o ensino e pesquisas de combate ao câncer em Pernambuco.

O objetivo da entidade é captar um montante que lhe assegure dentro do Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon), o que ajudaria a diminuir o sofrimento e a mortalidade de pacientes, com o acesso a tratamentos personalizados e de qualidade.

Os recursos do programa permitiriam a implementação do Centro Regional de Referência em Ensino e Pesquisa no Nordeste, estruturado para a área de oncologia clínica e molecular, com bancos de tumores, fundamentais para ações de tratamento e pesquisa do câncer. A formação do chamado biobanco garante o armazenamento adequado e por longo tempo de material biológico (fragmentos de tumores e sangue, por exemplo) dentro das normas técnicas e éticas nacionais e internacionais.

O Cacon ressalta a possibilidade de doar com benefício direto dentro do Imposto de Renda. Pelo Pronon, empresas e pessoas físicas podem doar para projetos na área de oncologia até 1% do Imposto de Renda devido e ainda receber o valor doado como desconto na declaração do ano em exercício.

No entanto, para garantir os recursos, a entidade precisa arrecadar R$ 300 mil até o dia 31 de março. Se o valor da contrapartida não for arrecadado até essa data, o dinheiro destinado ao projeto é remanejado para a Conta Única da União.

Dados da Conta Captação Pronon – Pesquisa contra câncer biobanco
Imip – CNPJ: 10.988.301/0001-29
Banco do Brasil
Agência: 3434-7
Conta Corrente: 06364-9


Pesquisadores identificam gene associado à esclerose lateral amiotrófica

27 de março de 2015 | postado por Cinthya Leite
No longa, Eddie Redmayne interpreta o astrofísico britânico Stephen Hawking, diagnosticado com ELA aos 20 anos (Foto: Universal Studios/Divulgação)

No longa A teoria de tudo, Eddie Redmayne interpreta o astrofísico britânico Stephen Hawking, diagnosticado com ELA aos 20 anos (Foto: Universal Studios/Divulgação)

A dificuldade de quem vive com esclerose lateral amiotrófica (ELA) ganha grande repercussão nas telas do cinema. No filme A teoria de tudo, o vencedor do Oscar de melhor ator, Eddie Redmayne, interpreta o cientista Stephen Hawking e mostra como um dos cientistas mais famosos do mundo enfrenta a doença. Recentemente, um importante gene associado à ELA foi descoberto.

O gene, chamado de TBK1 (sigla para TANK-Binding Kinase 1), foi encontrado por um pesquisadores de um consórcio internacional formado por cientistas e médicos do Centro Médico da Universidade de Columbia (CUMC), a Biogen Idec e o Instituto HudsonAlpha de Biotecnologia. O estudo, realizado pelas três instituições por meio de métodos avançados de sequenciamento de DNA, envolveu esforços de mais de 24 laboratórios em seis países e revela a preocupação global com a ELA, um distúrbio neurodegenerativo nos neurônios motores que causa perda total de movimentação voluntária.

A expectativa de vida após o diagnóstico é de dois a cinco anos. Por isso, o cientista Stephen Hawking é considerado uma exceção entre as pessoas que convivem com ELA, já que ele é o paciente com maior expectativa de vida registrada até hoje.

Leia também: Conheça a doença vivida pelo personagem de Eddie Redmayne, que levou o Oscar

O TBK1 desempenha um papel de destaque em dois processos celulares que levam à doença: a inflamação, uma reação a ferimento ou infecção, e a autofagia, envolvida na remoção de componentes celulares danificados. As mutações do gene aparecem em aproximadamente 1% dos 2.874 pacientes diagnosticados com ELA que participaram da pesquisa. De acordo com o diretor do Instituto de Medicina Genômica da CUMC, David B. Goldstein, trata-se de uma grande proporção no contexto de uma doença complexa e com múltiplos componentes genéticos.

A identificação do TBK1 pode ser considerada um importante passo para a ciência, já que poucos genes até hoje foram associados à ELA esporádica, responsável por aproximadamente 90% de todos os casos da doença. “Quanto mais dessas mutações identificarmos, melhor podemos decifrar e influenciar as vias que levam à doença”, disse Goldstein.

Os pesquisadores estão atualmente usando células tronco embrionárias derivadas de pacientes e modelos de camundongo com mutações no TBK1 para estudar os mecanismos da doença e avaliar possíveis medicamentos. “Estamos observando o desenvolvimento da pesquisa para que, um dia, esse estudo possa beneficiar os pacientes que vivem com ELA”, planeja o vice-presidente de Ciência e Tecnologia da Biogen Idec, Tim Harris.

Tags:

Aprenda a evitar a má postura ao volante e afaste a dor na coluna

27 de março de 2015 | postado por Malu Silveira
Motorista dirigindo (Foto: Rafa Medeiros/Acervo JC Imagem)

Por passar bastante tempo em posições inadequadas dentro do veículo, o motorista pode desenvolver dores na coluna (Foto: Rafa Medeiros/Acervo JC Imagem)

Diante da lentidão em 60% das vias da cidade em horário de pico, o motorista recifense passa um tempo imenso em posições inadequadas que podem causar dores na coluna, já que as articulações ficam posicionadas em angulações que comprometem as estruturas do corpo e geram compressões em nervos e tensão na musculatura.

O ortopedista Alexandre Arraes, do Hospital Jayme da Fonte, no Recife, explica que uma postura incorreta da coluna favorece o mau posicionamento do quadril, joelhos e ombros. “O motorista deve se posicionar da maneira mais ereta possível e precisa manter a cabeça numa posição mais neutra, com o quadril o mais próximo do banco. O tronco deve estar a uma distância do volante de modo que os cotovelos não fiquem muito flexionados, a fim de evitar tensão no pescoço”, explica o médico.

De acordo com ele, o sistema psicológico também pode funcionar como um agravante. “Ficar preso em engarrafamentos gera ansiedade e aumenta o nível de estresse, o que faz a musculatura ficar mais rígida. Soma-se a isso o cansaço da volta do trabalho”. Além disso, Alexandre Arraes explica que é importante buscarmos mecanismos que nos ajudem a relaxar durante os engarrafamentos, como ouvir música.

Confira algumas dicas:

Antes de dirigir:

- Se o encosto do carro não tiver regulagem para a coluna lombar, use uma pequena almofada para apoiar essa parte do corpo
– Evite deixar a cabeça muito abaixada e muito para trás
– Segure o volante com os braços levemente flexionados e relaxe os ombros
– Apoie os calcanhares no assoalho do veículo e deixe os joelhos levemente flexionados no nível dos quadris ou acima

Durante o engarrafamento:

- Estique e flexione os pés para melhorar a circulação
– Puxe o joelho em direção ao tórax, ao lado do volante, e mexa a musculatura da panturrilha, coxas e quadril
– Eleve os braços, colocando-os na parte de trás da cabeça. Alongue os ombros, cotovelos e flexione os punhos
– Projete o corpo para frente, abraçando o volante, e empurre a cabeça para a direita e esquerda

 


Uninassau promove pedalada contra dor

27 de março de 2015 | postado por Malu Silveira
Ciclista (Foto: Guga Matos/JC Imagem)

Circuito lembra a importância da prática de exercícios físicos no tratamento contra a dor (Foto: Guga Matos/JC Imagem)

Uma forma de lembrar a importância da prática de exercícios físicos no tratamento contra a dor. Inspirado nesse lema, o Centro Universitário Maurício de Nassau (Uninassau) promove, neste domingo (29/3), às 9h, a 1ª Pedalada contra Dor. Serão três horas de circuito com inscrição gratuita. O roteiro começa no Parque da Jaqueira, na Zona Norte do Recife, até o Marco Zero, na área central da capital pernambucana.

Alunos de medicina da universidade que participam da Liga de Dor de Pernambuco (LDPE) estarão no Parque da Jaqueira para orientar o público sobre o controle da dor crônica. Também, antes de iniciar o circuito, alunos do curso de educação física coordenarão atividades de relaxamento e alongamento voltadas para a prevenção de dores. A corrida deve terminar por volta das 12h, com sessão de relaxamento.

“Queremos chamar atenção da população para o tratamento das dores e fazer com que as pessoas comecem a praticar exercícios físicos regularmente”, explica o especialista em dor e professor de medicina Nêuton Magalhães. Para participar, o interessado deve fazer uma inscrição prévia no bloco E da Uninassau. É preciso doar dois quilos de alimento não perecível. Mais informações: cassia.fernanda@mauriciodenassau.edu.br.


Dica do bem: Malhar em jejum não ajuda a queimar gordura

26 de março de 2015 | postado por Cinthya Leite
Uma rotina intensa de treinos deixa de ser saudável quando a dieta não está à altura do gasto calórico provocado pelo exercício (Foto: Free Images)

Uma rotina intensa de treinos deixa de ser saudável quando a dieta não está à altura do gasto calórico provocado pelo exercício (Foto: Free Images)

Você costuma malhar em jejum? Saiba que esse hábito passa longe de ser saudável. É esse o alerta da #dicadobem desta quinta-feira. Algumas pessoas pensam que se exercitar de barriga vazia ajuda a queimar gordura. Essa conduta, no entanto, só favorece a perda de massa muscular. E isso não faz bem porque, quanto maior o aumento da massa muscular, mais acelerado será o nosso metabolismo.

“Ao malhar em jejum, a pessoa tem mais risco de desenvolver problemas como hipoglicemia, fadiga muscular, queda no rendimento, náuseas e vertigens”, explica o educador físico Bruno Basílio, da Hi Academia, no Recife.

Uma alimentação equilibrada antes da atividade física é extremamente importante, inclusive quando o foco é emagrecer. Uma rotina intensa de treinos deixa de ser saudável quando a dieta não está à altura do gasto calórico provocado pelo exercício. “Do mesmo jeito que o combustível é imprescindível para fazer o carro rodar, a comida é importante para dar energia ao praticante de qualquer atividade física”, compara Bruno Basílio.

Como recomendação, antes do treino, procure ingerir carboidratos, principalmente os integrais, vegetais, legumes e frutas. Granola, pão integral, repolho, espinafre, melão e melancia são boas escolhas. No entanto, evite comer alimentos ricos em açúcar e gorduras. “As gorduras são uma ótima fonte de energia, mas têm absorção bem mais lenta”, frisa o educador físico.

Ele orienta ainda que um nutricionista pode sugerir uma dieta de acordo com as necessidades de cada pessoa. “Aliar o exercício físico a uma alimentação balanceada, com as orientações de profissionais de cada área, é o segredo para atingir a meta traçada”, sugere.

O indicado é que o treino seja feito uma hora após a alimentação. Esse é o tempo que o organismo leva para absorver os nutrientes. Outro fator bastante importante é a hidratação antes e depois do treino, o que ajuda a melhorar o rendimento e a repor a água perdida durante a atividade.


 
Todas as informações apresentadas neste blog estão disponíveis com objetivo exclusivamente educacional. Dessa maneira, nosso conteúdo não pretende substituir consultas médicas, realização de exames e tratamentos médicos. Sempre que tiver uma dúvida, não deixe de conversar com o seu médico, que é o profissional mais adequado para esclarecer todas as suas perguntas. E nunca se esqueça de que o direito à informação correta é essencial para a prevenção e o sucesso do tratamento. E mais: o conteúdo editorial do Casa Saudável não apresenta relações comerciais com possíveis anunciantes e patrocinadores do blog.
© Copyright 2015. NE10 - Recife - PE - Brasil.