Ir para o conteúdo

Blog – Casa Saudável

Imagem de pessoa em frente ao notebook (Foto: Free Images)

Feixes de luz podem causar deslocamento de retina, degenerações musculares nos olhos e até catarata, além de afetar o sistema neurológico (Foto: Free Images)

Sabia que hábitos costumeiros nesta era digital, como assistir filmes no tablet ou passar muito tempo em frente à tela do computador, podem ser mais perigosos do que a gente imagina? Uma pesquisa encomendada pela Sociedade Latino-Americana de Oftalmologia Pediátrica constatou que a luz azul-violeta emitida por aparelhos eletrônicos é potencialmente perigosa e tóxica para a parte de trás dos olhos.

Estes feixes de luz podem causar deslocamento de retina, degenerações musculares e até catarata, além de afetar o sistema neurológico – causando insônia e mudanças de humor. O perigo, segundo alerta o oftalmologista Bernardo Cavalcanti, do Hospital de Olhos de Pernambuco (Hope), está no fato de que os sintomas são silenciosos. “Não é algo que você percebe de um mês para o outro. O efeito é cumulativo e os danos vão aparecer ao longo dos anos”, alerta. Para ter uma ideia, explica o especialista, uma pessoa de 25 anos que se expõe a essa luz durante sete horas por dia, pode começar a sentir os problemas causados somente por volta dos 40.

Para evitar complicações futuras, o recomendável é regular o uso de computadores, tablets e smartphones e fazer intervalos de, pelo menos, 20 minutos. “Quando ficamos muito tempo perto da tela, a visão embaça e ocorre o cansaço ocular. Por isso, durante essa pausa é importante estimular a visão de longo alcance, focando em algum ponto a, em média, seis metros de distância”, explica o oftalmologista.

Além disso, é essencial lembrar-se de piscar mais os olhos quando se está diante da tela, a fim de evitar a sensação de olho seco. Em casos extremos, essa sensação pode evoluir para uma doença crônica conhecida como Síndrome da Disfunção Lacrimal (SDL). Apesar de ser mais comum em mulheres de idade avançada, a SDL pode ser desencadeada pelo uso excessivo de computadores e outros aparelhos eletrônicos, causando ardor, irritação, e sensação de areia nos olhos.

Tags:

Imagem de saladas (Foto: Free Images

Não basta apenas praticar exercícios para ficar em forma; especialista recomenda pensar na alimentação como uma aliada dos treinos (Foto: Free Images)

Com a onda fitness, cada vez mais pessoas vêm aderindo à novas formas de exercitar-se e aliar a rotina de atividades físicas com um cardápio saudável. Uma caminhada no parque, uma corridinha na praia ou praticar esporte com grupo de amigos. Para unir exercícios e alimentação balanceada entra a nutrição esportiva, ramo da nutrição que tem como objetivo promover a saúde, melhorar o rendimento durante o exercício e otimizar a recuperação após os treinos.

O primeiro passo para quem quer unir os dois é procurar um especialista. “O primeiro passo deve ser a procura por profissionais especializados. É importante que se faça uma avaliação médica para descartar qualquer problema de saúde que impeça a prática do exercício. O acompanhamento com nutricionista e professor de educação física é importante para que o praticante tenha um melhor rendimento e atinja com êxito suas metas”, explica a nutricionista e especialista em nutrição esportiva Mariana Alencar, da Prodieta.

O segundo passo é seguir o plano alimentar elaborado pelo especialista. Para isso, é importante que o atleta deixe claro qual o seu objetivo com o novo cardápio. Pessoas que pretendem emagrecer possuem um tipo de dieta, diferente das que possuem o objetivo de hipertrofiar. “Quem quer emagrecer deve esperar pelo menos 40 minutos para consumir algum alimento. Isto acontece porque quando terminamos o exercício, a gordura continua sendo oxidada. Assim que consumimos o alimento, aumenta a glicose no sangue, liberando a insulina e, então, cessa a queima da gordura”, esclarece a nutricionista esportiva. Já quem pretende ganhar massa muscular, o ideal é que se alimente logo após o exercício, de acordo com seu plano alimentar personalizado.

Tags:

foto-Fapesp-600

Estudo apresentado no Brasil pelo A.C. Camargo aponta que familiares de pacientes com subtipo agressivo têm risco de desenvolver a doença (Foto: Claudio Arouca/Ag.FAPESP)

Da Agência FAPESP

Uma parcela significativa dos casos de câncer de mama triplo negativo identificados no Brasil pode ser hereditária. Por isso, os familiares das pacientes diagnosticadas com esse subtipo de câncer de mama muito associado a mutações no gene BRCA1 – como a atriz norte-americana Angelina Jolie recentemente descobriu possuir – apresentam risco de desenvolver a doença.

As constatações são de uma pesquisa feita no Laboratório de Genômica e Biologia Molecular do A.C.Camargo Cancer com apoio da FAPESP. Resultados do trabalho foram apresentados em uma sessão sobre pesquisas em câncer durante a FAPESP Week UC Davis in Brazil, realizada entre os dias 12 e 13 de maio, em São Paulo.

“Identificamos que um percentual importante dos tumores de mama triplo negativo apresenta mutações patogênicas no gene BRCA1 e a maioria é de origem germinativa [podem ser transmitidos para os descendentes]”, disse Dirce Maria Carraro, líder do Laboratório de Genômica e Biologia Molecular do A.C.Camargo Cancer Center e coordenadora do estudo.

“Isso os classifica como tumores hereditários e a família das pacientes diagnosticadas tem risco de desenvolver câncer de mama”, avaliou.

Leia a matéria completa no site da Agência FAPESP


Imagem de sopa (Foto: Free Images)

Consumir alimentos mais pastosos, como sopas, é uma das recomendações da cartilha nutricional para pacientes em tratamento oncológico (Foto: Free Images)

Náuseas, vômitos, baixa imunidade e diarreia são sintomas muito comuns para pacientes com câncer. Os efeitos da doença e dos inúmeros tratamentos, como quimioterapia e radioterapia, muitas vezes ocasionam também falta de apetite no paciente, que com o as dificuldades de se alimentar pode desenvolver quadro de desnutrição. A fim de ajudá-los a manter uma alimentação saudável, o Hospital Santa Joana lançou nesta quinta-feira (28) um guia nutricional de alta hospitalar para pacientes em tratamento oncológico.

A cartilha, que será distribuída para os pacientes com orientação de nutricionista, traz receitas e dicas para auxiliar na aceitação alimentar durante o tratamento do câncer. “As orientações contidas no guia são de extrema importância para a manutenção do paciente que está em tratamento oncológico. Além da conscientização sobre a necessidade de se manter nutrido para dar resposta ao tratamento, o material ensina formas de prevenir ou diminuir a incidência dos efeitos”, ressalta o médico Lúcio Flávio Alencar, coordenador da equipe multidisciplinar de Terapia Nutricional do hospital.

Confira o Guia nutricional de alta hospitalar para pacientes em tratamento oncológico.

Algumas dicas do Guia Nutricional de Alta Hospitalar para pacientes em Tratamento Oncológico:

Falta de Apetite – Nessa fase, é importante aumentar o consumo de calorias. Escolha os alimentos que mais gosta e incremente as receitas com azeite de oliva, creme de leite e mel. Isso contribui para aumentar as calorias. Utilize temperos naturais como: orégano, manjericão, hortelã, alho, gengibre, cebola e cheiro verde.

Boca seca ou feridas na boca – Chá de Romã ajuda na cicatrização. Acrescente molhos e caldos no preparo dos alimentos, desde que não sejam muito condimentados; balas e gomas de mascar sem açúcar são indicadas para estimular salivação; consumir alimentos mais pastosos, como: pudins, gelatinas, purês, sopas, cremes, mingaus.

Náuseas e vômitos – Faça pequenas refeições ao longo do dia; evite ou diminua líquidos durante as refeições; evite frituras, gorduras; bebidas alcoólicas, café, chá preto, e mate e condimentos fortes; não fique próximo do preparo de refeições, para não enjoar.

Imunidade – Durante a quimioterapia/radioterapia/tmo, pode ocorrer diminuição da imunidade, sendo importantes evitar verduras cruas e de casca fina, sucos, água de coco e caldo de cana in natura, pães com cremes ou recheios, iogurte, leite fermentado e leites não pasteurizados e queijos crus. Também é importante ficar atento à higiene e preparação correta dos alimentos.


Simepe realiza II Simpósio sobre doenças negligenciadas em Pernambuco

28 de maio de 2015 | postado por Malu Silveira
Imagem formas larvais de parasitas da espécie Schistosoma (Foto: Rodrigo Lôbo / JC Imagem)

A esquistossomose, infecção causada pelas formas larvais de parasitas da espécie Schistosoma, é uma dos temas do Simpósio sobre doenças negligenciadas em Pernambuco (Foto: Rodrigo Lôbo / JC Imagem)

O Sindicato de Médicos de Pernambuco (Simepe) realizará nos dias 4 e 5 de junho o “II Simpósio sobre Doenças Negligenciadas no Estado de Pernambuco: Como estamos e onde avançamos?”. O evento, promovido pelas entidades médicas do Estado (Simepe, Cremepe e Ampe), acontecerá no auditório do Cremepe, no bairro do Espinheiro, Zona Norte do Recife. A abertura dos trabalhos será às 8h30.

Na programação, vários debates em torno do tema do simpósio, como o Programa de Enfrentamento às Doenças Negligenciadas em Pernambuco (Sanar), além de debates sobre esquistossomose, febre reumática, doença de Chagas, hanseníase, tuberculose e leishimaniose.

As inscrições são gratuitas e devem ser feitas até 1º de junho no site www.simepe.org.br/simposio. A organização orienta que os participantes – entre médicos, estudantes de medicina e demais profissionais da saúde – levem 2 quilos de alimento não perecível no dia do evento. A arrecadação será doada para a Associação dos Portadores de Doença de Chagas.


 A tendência é continuar a redução da transmissão com a chegada do inverno, mas as medidas de prevenção devem ser mantidas durante todo o ano (Foto: Free Images)

A tendência é continuar a redução da transmissão com a chegada do inverno, mas as medidas de prevenção devem ser mantidas durante todo o ano (Foto: Free Images)

Boletim da dengue, divulgado na terça-feira (26/5) pelo Ministério da Saúde, mostra que o pico de transmissão da doença já passou. De março a abril, houve uma redução de 27% dos casos de dengue no Brasil. No mês de março, foram registrados 337,7 mil casos, período considerado como o pico da transmissão. Já em abril, a doença recuou para 246,6 mil notificações. A tendência é continuar a redução da transmissão com a chegada do inverno, mas as medidas de prevenção devem ser mantidas durante todo o ano.

Ao todo, 13 estados apresentaram redução dos casos na comparação da transmissão de março para abril. As maiores reduções foram nos estados do Amapá (79,3%), que teve 682 casos em março e caiu para 141, em abril; São Paulo, que reduziu a transmissão em 51,3%, de 192,2 mil casos, em março para 93,7 mil, em abril; e Maranhão (47,2%), com queda de 2,2 mil para 1,2 mil.

>> Leia também:

Em época de dengue, médicos alertam sobre uso de repelentes em crianças

Neste ano, foram registrados 845,9 mil casos de dengue até dia 9 de maio. O Ministério da Saúde também foi notificado de 290 óbitos e 505 casos graves no mesmo período de 2015.

Na comparação com 2014, o número de casos de dengue representa um aumento de 155,5% e uma redução de 30% na comparação com 2013 no mesmo período – 1,2 milhão de casos da doença. Com relação aos óbitos, o número deste ano representa um aumento de 25% na comparação com 2014 e uma redução de 33,3% na comparação com 2013.


carteira

Atenção: ao sentarmos com a carteira no bolso, o desalinhamento do quadril pode vir à tona. Assim, problemas de coluna tendem a aparecer (Foto: Reprodução/Internet)

Já parou para pensar que, ao sentarmos com a carteira localizada no bolso de trás da calça, podemos desenvolver diversos problemas na coluna? O fisioterapeuta Giuliano Martins, diretor regional da Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna (ABRColuna), explica que os incômodos tendem a aparecer porque, ao sentar com a carteira no bolso, o desalinhamento do quadril pode vir à tona. Isso provoca uma curvatura errada na coluna e comprime as raízes nervosas que formam o nervo ciático e os músculos do glúteo.

“O ideal é sempre retirar a carteira do bolso ao se sentar. O desvio produzido na coluna, pelo fato de se estar sentado sobre a carteira, criará uma sobrecarga em determinadas zonas que poderá aumentar significativamente a probabilidade do surgimento de alguma dor”, explica Giuliano, do ITC Vertebral Ribeirão Preto, no interior de São Paulo.

O especialista ainda cita um exemplo de um paciente tratado com o método de reeducação postural global (RPG). “Ele tinha muita dor na região lombar e apresentava um desvio lateral da coluna bem visível. Após algumas consultas, a dor desapareceu porque o desvio da coluna foi significativamente melhorado. Contudo, após alguns meses, o paciente voltou à clínica com as queixas iniciais. Ele se sentava com frequência com a carteira no bolso de trás da calça, o que causava um desequilíbrio de toda a coluna, ao ponto de todo o tratamento de correção da postura feito anteriormente ser progressivamente destruído por esse mau hábito”, diz.


Consultório na Rua assiste pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade social (Foto: Rodrigo Lôbo/Acervo JC Imagem)

Consultório na Rua assiste pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade social (Foto: Rodrigo Lôbo/Acervo JC Imagem)

Em comemoração ao primeiro ano de atividades, a equipe do ​Programa ​Consultório na Rua do Recife promove, nesta quinta-feira (28/5), um final de tarde diferente para pessoas em situação de rua. A partir das 17h, será exibido um documentário com o tema O quê que a rua tem​, na Praça de Alimentação do Mercado Público, no Bairro de Brasília Teimosa, Zona Sul do Recife. A narrativa do audiovisual é contada a partir de histórias dos próprios moradores derua, que poderão se ver na telona, ​contando seus objetivos e dificuldades.

Segundo a coordenadora do Consultório na Rua do Recife, Brena Leite, o momento será importante para trocar experiências, conversar e perceber a situação de cada um dos cidadãos. “Será um espaço de encontro e de troca de experiências entre es​se público, os profissionais que atuam n​a área e a comunidade. A ideia é proporcionar diálogos que possam desconstruir preconceitos e estigmas sobre a vida nas ruas”, diz Brena.

Proposta 

O Programa Consultório na Rua é uma política pública do Ministério da Saúde e foi implantado pela Prefeitura do Recife em maio de 2014  em três Distritos Sanitários da cidade (I, VI e VIII) por ter mais pessoas em situação de rua​. A proposta é dar atenção integral à saúde a essa população. As equipes são formadas por profissionais como psicólogos, assistentes sociais e técnicos sociais. Atualmente, 220 usuários estão cadastrados no programa. ​


O centro funcionará 24 horas por dia e, dessa maneira, permitirá agilidade e melhor resposta aos pacientes internados (Foto: Divulgação)

O centro funcionará 24 horas por dia e, dessa maneira, permitirá agilidade e melhor resposta aos pacientes internados e aqueles atendidos pela urgência (Foto: Divulgação)

Para marcar seus 60 anos, comemorados em julho, o Hospital Jayme da Fonte, no Recife, acaba de inaugurar um Centro de Diagnóstico. Na unidade, passam a ser oferecidos aos pacientes exames como tomografia, ressonância magnética, ecocardiograma, ultrassonografia geral e com doppler, radiologia convencional, punções e biópsias guiadas. A inauguração do Jayme da Fonte Diagnóstico permitirá a realização de exames, até então, inéditos no Estado, incrementando a capacidade diagnóstica dos métodos de imagem.

Entre os exames que serão oferecidos pelo hospital, está a elastografia hepática por ressonância magnética, que permite uma avaliação detalhada do fígado em minutos, o que evita geralmente a necessidade de realização de procedimentos invasivos com biópsias. “O Jayme da Fonte Diagnóstico será o único hospital em Pernambuco a realizar o procedimento”, garante o radiologista Alexandre da Fonte, médico coordenador do Centro de Diagnósticos do hospital.

>> Leia também:

Hospital Jayme da Fonte alcança a marca de 700 transplantes de fígado

Ainda é importante ressaltar a criação da unidade avançada das doenças do aparelho digestivo, que contará com médicos gastroenterologistas, cirurgiões do aparelho digestivo e proctologistas. A unidade funcionará em integração com os serviços de endoscopia e de imagem – este, por sua vez, realizará os exames radiológicos mais avançados na avaliação do trato gastrointestinal, incluindo a colonoscopia virtual e exames de tomografia computadorizada, ressonância magnética e ultrassonografia específicos para avaliação do intestino delgado. Dessa maneira, será um serviço de referência no diagnóstico de doenças do trato gastrointestinal no estado de Pernambuco.

O centro funcionará no térreo do novo prédio do hospital, que recebeu investimento de 35 milhões em obras e 15 milhões na aquisição de equipamentos. O Jayme da Fonte Diagnóstico possui um corpo clínico composto por especialistas com título conferido pelo Colégio Brasileiro de Radiologia. 

O diretor do Jayme da Fonte, Antônio Jayme, explica que a unidade ‘faz parte do plano de expansão do hospital, que teve início em 2010 com a construção de um novo prédio anexo. O centro funcionará 24 horas por dia. Assim, permitirá agilidade aos pacientes internados e também aos que são atendidos na urgência. A inauguração da nova estrutura permitirá um aumento significativo no número de atendimentos e de leitos”, reforça o diretor.


A esclerose múltipla é uma doença neurológica que acomete cerca de 35 mil pessoas no Brasil  (Imagem: Free Images)

A esclerose múltipla é uma doença neurológica que acomete cerca de 35 mil pessoas no Brasil (Imagem: Free Images)

Nesta quarta-feira (27/5), nossos olhos se voltam para o Dia Mundial da Esclerose Múltipla (EM), doença autoimune que acomete principalmente mulheres jovens de 20 a 40 anos em fase reprodutiva da vida. O diagnóstico precoce é a melhor alternativa para que o paciente tenha qualidade de vida. Ao ser detectada a doença, é preciso se submeter a um tratamento adequado, capaz de retardar o máximo possível a evolução da doença, que tem como sintomas dormência, perda de visão, visão dupla, falta de equilíbrio e fraqueza. E mais: também é preciso ficarmos atentos aos distúrbios sexuais relacionados à doença. A ocorrência dessas disfunções em pessoas com esclerose múltipla pode chegar a 90% entre homens e varia de 55% a 75% nas mulheres.

>> Leia também:

Esclerose múltipla: Claudia Rodrigues conversa com o Casa Saudável

Esclerose múltipla não é demência

Esclerose múltipla: informe-se sobre a doença

De causa desconhecida, a doença acomete cerca de 35 mil brasileiros e ainda não tem cura. É caracterizada por comprometimento do sistema nervoso central e, assim, provoca dificuldades motoras e sensitivas, que impactam diretamente a qualidade de vida dos pacientes. A prevalência de alterações da função sexual em indivíduos com esclerose múltipla é maior quando comparada à população geral. Em pessoas com a doença, as células do sistema imunológico atacam a proteção das células nervosas chamada mielina. “Com essa agressão, os sinais elétricos ficam atrasados ou impedidos de serem transmitidos entre os neurônios causando diversos danos, seja na área motora, sensibilidade, equilíbrio, controle de funções esfincterianas ou nos processos em que todos estão envolvidos, como a função sexual, em um processo que é irreversível”, explica o neurologista Roberto Carneiro, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo.

“É importante falar abertamente sobre eventuais problemas sexuais com o médico, e, em muitos casos, o acompanhamento com psicólogo ou terapeuta sexual é indispensável”, completa o especialista.

Os sintomas da doença mais comumente descritos são perda de equilíbrio e coordenação motora, formigamento pelo corpo e perda de força e de visão. Esse conjunto de fatores é chamado de surto. A intensidade e o intervalo entre os surtos variam de acordo com o estágio da doença em que o paciente se encontra e podem deixar sequelas, dependendo da gravidade.

“Apesar do quadro delicado que os pacientes muitas vezes passam, é possível ter o controle da doença com o tratamento adequado e menor impacto nas relações interpessoais ou no envolvimento íntimo. Por isso, é importante procurar rapidamente um especialista assim que se notar qualquer sintoma. Quanto antes o tratamento for iniciado, menor o risco de o surto progredir e de as sequelas serem graves”, alerta.

Segundo a Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (ABEM), apenas 5 mil pacientes recebem o tratamento adequado para a EM no País. Apesar da evolução na medicina e das descobertas na área, ainda é difícil diagnosticá-la precocemente porque os sintomas se manifestam de formas diferentes em cada pessoa.

Tratamento

Embora ainda não haja cura para a esclerose múltipla, os tratamentos têm como objetivo reduzir a atividade inflamatória e os surtos, a fim de proporcionar uma melhora na qualidade da vida sexual dos pacientes. O estudo Benefit, acompanhado ao longo de 11 anos pelos Comitês Americano e Europeu para Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla em Boston, Massachusetts (EUA), revela que o tratamento precoce com betainterferona-1b diminui os efeitos das complicações motoras e sensitivas das pessoas que estão no estágio inicial da doença.

O betainterferona-1b faz parte da primeira categoria de opções terapêuticas, os imunomoduladores, cujo objetivo é reduzir a intensidade dos surtos e o intervalo entre eles, agindo sobre os processos imunológicos.  As causas exatas da EM ainda não são conhecidas, mas há dados que sugerem que a genética, o ambiente em a pessoa vive e até mesmo um vírus, que poderia desempenhar um papel no desenvolvimento da doença.

Apoio ao paciente

A Bayer oferece o Programa de Apoio Betaplus para as pessoas com esclerose múltipla.  É disponibilizada a ferramenta digital CogniFit, destinada ao treinamento dos aspectos cognitivos dos pacientes, que têm à disposição jogos cerebrais capazes de permitir a avaliação do estágio e a evolução das habilidades cognitivas. Os resultados podem ser compartilhados com os amigos e também com o médico. O acesso ao Cognifit pode ser feito pelo site (www.esclarecimentomultiplo.com.br) e está disponível exclusivamente para os pacientes já inscritos no programa Betaplus. Mais informações: 0800 7020605 / betaplus@bayer.com.


 
Todas as informações apresentadas neste blog estão disponíveis com objetivo exclusivamente educacional. Dessa maneira, nosso conteúdo não pretende substituir consultas médicas, realização de exames e tratamentos médicos. Sempre que tiver uma dúvida, não deixe de conversar com o seu médico, que é o profissional mais adequado para esclarecer todas as suas perguntas. E nunca se esqueça de que o direito à informação correta é essencial para a prevenção e o sucesso do tratamento. E mais: o conteúdo editorial do Casa Saudável não apresenta relações comerciais com possíveis anunciantes e patrocinadores do blog.
© Copyright 2015. NE10 - Recife - PE - Brasil.